Archport Um País pequenino…

Date: Sat, 24 Jul 2010 22:57:46 +0100

Viva!
Reenvio como recebi. É por coisas destas que estou farto da Faculdade de Letras…
Cumprimentos!
António Gaito

Date: Sat, 24 Jul 2010 14:15:22 +0100
From: xxx
To: archport@ci.uc.pt
Subject: [Archport] Um País pequenino…

INÊS PEDROSA

Inês Pedrosa « Opinião « Página Inicial |

Pág. 1 de 18 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | … »
Ver 10, 20, 50 resultados por pág.

Um caso exemplar

Inês Pedrosa (www.expresso.pt)

0:00 Quarta feira, 14 de Julho de 2010

O arqueólogo premiado que Portugal não quis

A história de João Zilhão, um dos dois mais citados, prestigiados e premiados arqueólogos do mundo, explica porque tem Portugal tanta dificuldade em sair da cepa torta. A extraordinária entrevista de Virgílio Azevedo, publicada na “Única” do sábado passado, devia inaugurar um dossiê de governação intitulado: “Causas do Atraso Crónico de Portugal” e ser objeto de reflexão efetiva. Um dossiê destes seria muito mais barato do que a infinidade de estudos que se encomendam para nos consolar ou acalmar – desde o do valor da Língua Portuguesa, que até agora não serviu para mudar nada na política da Língua, às investigações repetidas (e infrutíferas) sobre o funcionamento dos equipamentos culturais, ao recente inquérito sobre o nível de satisfação dos portugueses, que concluiu que somos mais felizes do que julgávamos.

João Zilhão liderou, em 1998, a descoberta do menino do Lapedo, um esqueleto com mais de 25 mil anos que demonstrou ter existido miscigenação entre os chamados Neandertais e os homens modernos. Em janeiro passado, publicou os resultados das suas mais recentes investigações, que provam a existência de adornos e pinturas corporais nos Neandertais da Península Ibérica, o que significa que “eram, do ponto de vista cognitivo, idênticos aos homens modernos”. O trabalho de João Zilhão redefine toda a historiografia, porque revela a existência de “uma única espécie humana” desde há dois milhões de anos. Isto é: “A dicotomia Neandertais/ homens modernos é falsa e simplista.” Zilhão esteve também à frente do processo de descoberta das gravuras de Foz Coa. Confessa que o seu objetivo, aos 53 anos, com cerca de 15 anos úteis pela frente “se os joelhos funcionarem”, é o de esclarecer mais profundamente o modo de vida dos últimos Neandertais e o de “formar equipas novas que possam continuar o meu trabalho”. Onde vai João Zilhão formar essas equipas? Não na universidade portuguesa, porque essa rejeitou-o: em 2003, ao mesmo tempo que ganhava um Prémio da Fundação Humboldt para trabalhar um ano na Alemanha numa instituição de investigação à sua escolha, o Departamento de História da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa proibiu-o de fazer provas de agregação: “Os meus colegas deste departamento entenderam que eu não tinha nível científico suficiente para ser promovido”, explica o arqueólogo, “o que é ilegal, porque o nível científico está regulamentado por lei, é objetivo”. Recorreu e o tribunal deu-lhe razão – mas só em 2009. “Já antes, também de forma ilegal, tinha sido preterido em 2002 na promoção a professor associado e o tribunal deu-me igualmente razão.” Como podem os tribunais levar tantos anos a decidir sobre estes casos de injustiça laboral? Zilhão diz que há centenas de exemplos como o seu – não duvido, porque eu própria conheço de perto uma meia dúzia deles. A diferença é que a maior parte deles não chega a tribunal, porque os prejudicados ou fecham a porta do país e não estão para se maçar mais com as invejazinhas imobilizadoras cá do sítio – ou não veem alternativas de trabalho, calam-se e aguentam. A europeização das universidades está já a resolver estes problemas; os jovens mais qualificados desistem de Portugal, país onde o poder da mediocridade instituída é real e passa de gerações em gerações – do mesmo modo que o poder económico se transmite familiarmente, sem atender a competências. Lembro-me sempre do administrador de uma empresa que perguntava, varado com o brilho e a eficiência de uma jovem funcionária: “Quem é esta rapariga, que não é filha de ninguém?” Essa filha de ninguém só conseguiu singrar quando, a duras penas, constituiu a sua própria empresa. E, embora ninguém hoje lhe regateie talento e competência, continua a atravessar dificuldades – porque as castas distribuem encomendas e dinheiros entre si, sem cuidar de ninharias como qualidade ou resultados.

Depois do período no trabalho na Alemanha, o arqueólogo brilhante que Portugal não quis foi receber um prémio a Londres e propuseram-lhe que concorresse a um lugar na Universidade de Bristol, onde está, desde 2005, como professor catedrático, a formar as tais novas gerações de investigadores. A história de João Zilhão é escandalosamente exemplar. A parábola de um país que despreza os seus melhores.

Texto publicado na edição do Expresso de 10 de Julho de 2010

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: