MANIFESTO DO 12 DE MARÇO ESCRITO POR UM ZÉ-NINGUÉM

Date: Wed, 9 Mar 2011 06:56:02 +0000

MANIFESTO DO 12 DE MARÇO ESCRITO POR UM ZÉ-NINGUÉM

«Até o chão curvados,
Exaustos e curvados,
Vão um a um, curvados,
Os seus magros perfis;
Escravos condenados,
No poente recortados,
Em negro recortados,
Magros, mesquinhos, vis.»

PESSANHA, Camilo – Branco e Vermelho

De que somos feitos, afinal? Daquilo que os sonhos são feitos (We are such stuff / As dreams are made on…)?

Não! Somos pessoas de carne, osso e alma, para os que acreditam que temos uma alma para além da existência carnal…

Porque raios, então, somos tidos como ruído de fundo no processo de decisão politica? A nossa ignorância da realpolitk e outros assuntos que, todos gostaríamos de não saber, é demasiado para a nossa consciência? Não! É, simplesmente, demais para o nosso bem-estar…

E quando aquilo que não queremos saber dita o nosso conhecimento do quotidiano, o nosso ordenado, o preço que pagamos pelos combustíveis, pela comida, pela electricidade, pela água… Quando aquilo que não queremos saber diz respeito a tudo à nossa volta e, quais Penélopes, tricotamos o nosso dia-a-dia, enquanto aceitamos a clarividência de gente que não consegue ver para além do próprio umbigo? Manifestamo-nos?

Tenho 25 anos e não gosto assim tanto dos Deolinda! No entanto, que parvo que sou… Tenho 25 anos e ainda acredito que as coisas podem mudar! Nada pode mudar enquanto a minha geração não tomar o poder. Não falo da geração nascida em finais dos anos de 1980… Os que nasceram por essa altura e fizeram carreira nas juventudes partidárias não são melhores que os Varas, com a diferença de nem terem médico de família (como eu) para passarem à frente nas filas dos Centros de Saúde. Falo daqueles que não foram traumatizados por um 25 de Abril e conseguem manter a razão!

Vou para a Avenida da República no dia 12 de Março às 15 horas porque quero muita coisa! Não me transtorna o desgoverno Sócrates, mais do que me transtornaria qualquer outro republicano-maçon-capitalista que desempenhasse o papel de chanceler do reino, houvesse algum monarca que tomasse conta de nós! Revolta-me, sim, o fartar-vilanagem a que estamos entregues! Não somos mais uma nação soberana, tais as cedências aos Senhores da União Europeia e aos interesses privados… Nem o Estado tem, como deveria ter, a capacidade de manutenção da ordem pública, a não ser da máquina fiscal – a única coisa que funciona bem neste pais!

O Estado é de todos, portanto, não quero mais amizades com ditadores como o Kadhafi, o Eduardo dos Santos ou o Chávez! As empresas portuguesas que o queiram fazer, força! Afinal de contas, é nisso que consiste o princípio da livre-iniciativa no Estado de Direito Democrático: se não for ilegal, cada um cria riqueza como puder!

O Estado tem o dever de apoiar o Colectivo, para isso cobra impostos. Portanto, se EU pago impostos, tal como TODOS pagamos e, estamos a falar do ÚNICO ORGANISMO PÚBLICO QUE FUNCIONA NESTE PAÍS: será que o grande capital QUE CRIA RIQUEZA não deve pagar na justa proporção daquilo que a nação paga no seu todo?

E as Forças Armadas, garantia da soberania nacional, não merecem o respeito da sociedade civil? Se calhar, enquanto houver mais preocupação em formar carreiras do que em delinear um plano de acção para termos uma força militar moderna e capaz de intervir em qualquer parte do mundo em defesa dos interesses nacionais ou dos princípios morais que guiam as relações entre os Estados, os nossos heróis serão apenas os desportistas que, embora representem a nossa bandeira, não entregam a própria vida para defender o Colectivo.

Qualquer crise económica é acompanhada de uma crise social, do aumento da insegurança, da criminalidade. E não é só o pobrezinho que rouba um pão ou uma peça de fruta da mercearia… Esse, se apanhado em flagrante delito, de acordo com o Código de Processo Penal que a Nomenklatura alterou, vai de cana! NUNCA EM PORTUGAL HOUVE TANTA CRIMINALIDADE VIOLENTA NEM CRIME ORGANIZADO como hoje temos e, para lidar com isso, diminui-se o orçamento das forças de segurança e o número de efectivos das polícias – menos aqueles cinco blindados muito bons para lidar com distúrbios públicos que, segundo disseram, vieram para uma cimeira posterior à entrega…

E que dizer da Justiça? Eu, que vos escrevo, fui sentenciado a setenta dias de multa em 2010 (4€ por dia) por um tribunal, por ter sido apanhado a conduzir com álcool em 2007. Como não tenho emprego, tenho de protelar o pagamento com requerimentos… Mas há quem usurpe o cargo que ocupa e coloque ao seu dispor o Procurador Geral da República e o Presidente do Supremo Tribunal de Justiça (quarta figura na hierarquia do Estado de Direito Democrático) para fugir às responsabilidades dos crimes que cometeu. E, como todos já tolerámos vários enganos com a mesma origem, fechamos os olhos em nome da estabilidade!

A nossa economia, tendo em conta a inexistência de um sector produtivo, é uma coisa qualquer que não uma economia. Uma reforma agrária seguida de uma Política Agrícola Comum destruíram o nosso sector produtivo! Os nossos minérios estão ao Deus dará, a lavoura é coisa para quem tem amor à terra e não amor próprio (quando sobrevoo Espanha ou França, vejo as terras cultivadas, vá-se lá saber porquê), a pecuária está entregue a mercados em que nem sequer participamos, as pescas são uma miragem (os navios foram abatidos para outros países virem delapidar os nossos recursos, muitas vezes, ilegalmente) e a produção primária de energia depende das melancias (verdes por fora, vermelhos por dentro; gente que com a queda do comunismo tomou de assalto o ambientalismo e mina o nosso modo de vida com as suas ideologias anti-capitalistas). A indústria parece que não se mentaliza da verdade inconveniente: os salários baixos, hoje, são a arma da Roménia e da Bulgária! Nós precisamos de salários decentes e produtividade (mesmo que isso implique trabalhar umas 12 horas por dia, pagas obviamente!) no sector da transformação. E se não há dinheiro para comprar serviços, como é que pode haver um sector dos serviços? O crédito fácil acabou… Está na altura de pagar o que devemos e não ganhamos para isso!

O cavaquismo deu-nos auto-estradas com fartura! E se uns pagam, porque raios é que outros não querem pagar? É por causa da interioridade? Sabem lá esse caramelos o que é estar longe do litoral?! 400Km da fronteira para o mar não é nada! É, quando muito, uma vantagem, tendo em conta que algumas das mais prósperas cidades europeias estão mais longe que isso e valem-se da proximidade com os portos marítimos para o comércio de mercadorias. Roma ou Londres estão tão longe do mar como Santarém! E se temos os Alfa Pendular há tantos anos e não remodelámos as linhas para que circulem como era esperado, para que raios é o T.G.V.? Se é para fazer investimento público em ferrovias, então, mudem a bitola ibérica para bitola europeia – só assim os passageiros que embarcam em Lisboa e as mercadorias que são descarregadas em Sines podem seguir para o resto da Europa sem trocar de comboio nos Pirinéus!

É correcto os P.I.N. serem mais importantes que a R.E,N, mas, as eólicas e o P.N.B. podem continuar a sugar os portugueses até à medula… Mesmo que paguemos quase metade da nossa factura da electricidade e grande parte dos nossos impostos para financiar a P.R.E., em alguns casos a QUINZE VEZES O VALOR DE MERCADO, nenhum líder político veio a público dar a opinião sobre isto! Ou seja, a conservação do ambiente, por causa da ditadura pseudo-ecologista baseada em mentiras, foi deixada para segundo plano, em nome de uma política energética que não oferece qualquer segurança económica ou ambiental!

NÃO HÁ POLÍTICAS DE APOIO À FAMÍLIA! Os portugueses não têm filhos porque não podem! Se em tempos de má memória um ordenado médio dava para sustentar uma família de quatro pessoas, hoje mal chega para uma! É nisto que consistem as conquistas de Abril? Quando, dado o nosso desequilíbrio demográfico, temos de contar com os imigrantes para sustentar a nossa Segurança Social (o tão querido Estado Social QUE A ESQUERDA DEFENDE E – EU TAMBÉM, mas não desta forma)? Que raio de Estado de Direito Democrático é este em que os mesmos Socialistas que redigiram a Constituição da República, vêm agora INCONSTITUCIONALMENTE reduzir salários aos trabalhadores?

E se em tantos países, em vez de pagar mais impostos, os trabalhadores descontam para um seguro de saúde privado – sistemas que, pelo menos, na Europa funcionam – sem que com isso percam o direito constitucional do acesso à saúde, porque é que tendo nós um Serviço Nacional de Saúde tão justo, centenas de milhar de pessoas (como eu) não têm um médico de família? E porque é que os hospitais, em vez de serem públicos ou geridos por privados, além das pessoas competentes que zelam pelos cuidados de saúde da população, têm de desviar recursos para pagar a Conselhos de Administração NOMEADOS pelos partidos que estão no Governo? Esses salários não seriam, por exemplo, melhor empregues em material de diagnóstico e horas de serviço aos médicos, para eles não terem de fazer part-times nos privados?

Eu aprendi a ler, escrever e a fazer contas… Infelizmente, não aprendi a parte das contas como deve ser! Mas, sei realizar operações básicas, tal como sei ler e escrever sem passar vergonhas. Mas tive colegas no Ensino Superior que não sabiam ler nem escrever em português! E chegaram lá. Como? Se estivesse numa qualquer engenharia (daquelas em que não se passa com exames ao Domingo) ficaria chocado se algum colega meu não soubesse resolver uma operação matemática elementar. Como andei a passear pelas Humanidades (Direito e Arqueologia), choca-me que haja gente a concluir licenciaturas sem saber ler nem escrever. E não os culpo! Afinal de contas, também me passeei por um ensino Básico e Secundário sem a menor exigência – que hoje é ainda menor para não afectar as estatísticas da O.C.D.E. – e vi as recompensas dadas ao mérito… DAÍ NÃO ME TER ESFORÇADO MAIS! Mas quando ouvimos os professores a protestar por serem avaliados, devemos pensar que o mais importante é como eles avaliam os alunos. Se o sistema os obriga a dar boas notas, é claro que têm de ser maus professores e, como tal, não querem ser avaliados! OS MELHORES PROFESSORES QUE EU TIVE, DESDE O BÁSICO AO SUPERIOR, NÃO TINHAM PROBLEMAS EM DAR AS NOTAS JUSTAS! E muitos deram-me más notas com toda a justiça… Sem a pressão de serem eles próprios avaliados.

Mas quando se chega ao Ensino Superior, não é o grau de exigência que é maior… É a capacidade de lidar com o status que conta! Porque se antes disso tivemos professores com medo daquilo que lhe calha em avaliação, nas Universidades os Professores são Senhores do destino dos alunos. E muitas vezes, tanto as aulas como as avaliações são deixadas para os mestrandos, doutorandos e pós-docs, uma forma digna de TRABALHO PRECÁRIO. É claro que só quem pode – ou quem tem artimanhas com as declarações de rendimentos – é que aguenta cinco anos de Universidade… Para ir trabalhar num call center ou numa empresa de vigilância.

Mas a cultura… Ai a cultura, essa coisa que, para os gauchistas deve ser acessível a todos. Essa forma esquerdista de educar as massas… Revolta-me como se gasta tanto dinheiro do Ministério da Cultura em subsídios a artistas e museus vazios e como infelizmente o património histórico, arquitectónico e arqueológico está na mesma dependência, aquilo que realmente é de todos está entregue à bicharada. Quando não aparece algum construtor civil – quantas vezes a obra é pública! – para cilindrar o património que é de todos – e se me é permitido, devo dizer que participei na escavação de um dos povoados fortificados do Calcolítico melhor preservados da Península Ibérica, que acabou cilindrado porque o presidente da Câmara de Redondo (dissidente do P.C.P., e nem por isso melhor pessoa) teimou em cumprir a promessa eleitoral de fazer uma estrada DESNECESSÁRIA por cima daquele povoado – fica simplesmente ao abandono. Mas, como é politicamente correcto, financia-se companhias de bailado cujos directores fazem o que querem do dinheiro, orquestras que tocam para plateias vazias, teatros que não conseguem chamar público (o estupor do La Féria consegue encher o teatro dele sem um tostão dos contribuintes, aquele capitalista!), filmes que ninguém vê e pintores e escultores que ninguém conhece. Vá-se lá saber o motivo pelo qual os filmes, peças de teatro, livros e exposições, noutros sítios não só partem da iniciativa privada, como rendem dinheiro e estimulam a economia. Deve ser obra do demo capitalista que leva os artistas a oferecer às pessoas a sua arte e as pessoas ( a massa ignorante que a esquerda quer educar) a procurar aquilo que lhes interessa…

Mas quem sou eu, António Lopes Pereira Gaito, nascido aos vinte e sete dias do mês de Janeiro no ano de mil novecentos e oitenta e seis da graça do Senhor, para questionar os caminho que esta elite (E O POVO QUE VOTA NESTES ESTAFERMOS) nos conduz? Eu que sou convictamente ateu, defensor da ciência exacta, do debate de ideias livre, da democracia, das liberdades individuais, da justiça dos Homens, de direita (assim me diz quem gosta de classificar as coisas para não se sentir perdido ou de catalogar tudo para saber aonde pertence) quem sou eu para colocar em causa o mundo em que vivo?

As veias onde o sangue me corre não contêm mais a pressão, tal é a revolta que trago. Eu, como milhares, quero outra coisa… Quero justiça! Se calhar, nem todos querem a mesma forma de a cumprir. Muitos estarão, concerteza, seduzidos pelas palavras de um certo alemão, ou dos seus seguidores (duvido que a maior parte dos socialistas ou comunistas alguma vez tenha lido Marx, senão, seriam outra coisa qualquer, menos aquilo que dizem ser), mas o derradeiro objectivo é universal: a tal sociedade livre justa e fraterna que foi postulada na Lei Fundamental por um indivíduo que, antes disso, vendeu (tal como outros anti-fascistas) os que a defendiam ao regime vigente.

Nem preciso da Justiça Divina – essa fica para os Homens de Fé, quando a hora chegar! Só quero a justiça terrena: a oportunidade de um trabalho digno, de um salário justo, de um meio socioeconómico em que possa constituir família e de um Estado que zele pelos interesses do Colectivo, não dos amigos do Bloco Central. É pedir demais? As grandes conquistas da Humanidade em termos de Direitos, Liberdade e Garantias consistem nisto! A Magna Carta, a revolução Francesa, a revolução Americana, a nossa Carta Constitucional de 1826… Como é que a Terceira República pode ser mais atrasada neste aspecto? Será precisa uma Quarta República? Então eu, que até tenho simpatias monárquicas, DEFENDEREI UMA QUARTA REPÚBLICA!

«E eu pergunto aos economistas políticos, aos moralistas, se já calcularam o número de indivíduos que é forçoso condenar à miséria, ao trabalho desproporcionado, à desmoralização, à infâmia, à ignorância crapulosa, à desgraça invencível, à penúria absoluta, para produzir um rico.» É de Garrett, em 1846 (Viagens Na Minha Terra), e não minha a interrogação. Eu, na insensatez dos meus vinte e cinco anos, interrogo os mesmos agentes que Garrett: quantos mais portugueses é forçoso condenar à miséria, à exploração salarial, ao endividamento, à desmoralização, ao terceiro-mundismo, à absoluta incapacidade de usufruir da dignidade que devia estar presente em todos os seres humanos, para satisfazer o voraz apetite da elite que manda sem ter sido eleita? Quanto mais pobres, desempregados, esfomeados, miseráveis, serão necessários até que alguém que possa fazer a diferença dê um murro na mesa e diga “basta!”?

EU SEI O QUE QUERO – E NÃO É ISTO! Eu quero mais e quero melhor…E tenho esse direito! E não quero mais pseudo-socialismo (é que nem ao produto original temos direito!) nem sociais-democratas (outra contrafacção da versão capitalista do marxismo). Quero outra coisa! Quero pessoas reais. Pessoas que dêem o nome e a cara por aquilo que defendem, mesmo que eu não goste! Pessoas que eu possa apoiar ou responsabilizar. Pessoas que mereçam o meu voto. Pessoas e não siglas! Quero uma política com rosto humano e não com interesses partidários! Quero as pessoas dos partidos e as que não são dos partidos… Não quero é os partidos e o que os rodeia. Quero o madrugar irreal do Quinto Império, ou na falta disso, a segunda melhor coisa: um caminho novo, uma respublica nova, um novo Portugal!

Por isto tudo e, sobretudo, por mais que as palavras não podem traduzir, às três da tarde de Sábado, dia doze do mês de Março, vou estar na Avenida da República, não só para oferecer o corpo à manifestação ou protesto… Não só para reivindicar aquilo que é meu, por direito inato… Mas para ser mais um no meio da multidão! Uma voz, uma mente e um corpo no meio de tantos outros. Porque eu sou mais que eu! Eu sou parte do todo que completo e faz de mim quem sou. Eu sou português! E sou humano! Não posso tolerar mais atentados contra a condição que me define. Porque não sou só eu o prejudicado – é o Colectivo que está em xeque! Quem cala, consente… E SÓ CONSENTE QUE GANHA COM A MISÉRIA DE TODOS!

Odivelas, 8 de Março de 2010

Mais um Zé-Ninguém

O texto acima foi escrito com o maior desprezo pelo Acordo Ortográfico.

António Lopes Pereira Gaito

Uma resposta to “MANIFESTO DO 12 DE MARÇO ESCRITO POR UM ZÉ-NINGUÉM”

  1. 37 anos de desmantelamento do sector agrícola « Quarta República Says:

    […] Repito aquilo que já manifestei: «A nossa economia, tendo em conta a inexistência de um sector produtivo, é uma coisa qualquer que… […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: