A falta de qualidade da energia eólica

Viva!

Tiro o chapéu ao Ecotretas por este artigo: http://ecotretas.blogspot.com/2011/05/dados-estatisticos-sobre-eolicas-do.html. E acrescento dois documentos que qualquer pessoa, antes de defender a energia eólica, devia ler: High_Cost_and_Low_Value_of_Electricity_from_Wind e impacts_large_scale_windfarms. Porque as eólicas têm um lugar importante, mas, em pequena quantidade e sem os subsídios vergonhosos que recebem! Além de cada parque eólico de maior dimensão precisar de duas barragens de apoio que, normalmente, não entram nas contas nem na propaganda…

Como já escrevi, mudei de opinião sobre as eólicas. Já não me oponho totalmente, mas, parcialmente. No estado actual de desenvolvimento, é uma fonte de energia competitiva. O que normalmente não é mencionado são as externalidades – as consequências negativas -, nas quais nem vou incluir os subsídios que, bendita troika, vão ser renegociados ou eliminados.

Para já, os geradores eólicos só produzem quando há vento suficiente para os accionar, mas, não muito forte, senão partem-se todos… Isto é um problema para uma rede eléctrica que tem fontes de energia, muitas delas mais baratas, que podem começar a trabalhar quando são precisas, parar quando não fazem falta e debitar na rede a energia necessária. Devido à grande quantidade de eólicas que temos, com prioridade de introduzir electricidade na rede pública sobre os outros produtores, temos de a pagar mais cara e muita é transferida para Espanha ou dissipada na terra… Mas, é paga como «Custos de Interesse Económico Geral» na factura da electricidade!

Ou seja, se as eólicas forem numa quantidade pequena, para apoiar o resto da rede, a energia produzida é virtualmente gratuita! Como temos geradores a mais, temos de pagar – a lei obriga a isso – aos produtores pela electricidade que, não sendo precisa, é desperdiçada ou oferecida aos espanhóis…

Outro problema é a impraticabilidade de armazenar a energia em excesso. Não há baterias para isso… Portanto, nos maiores parques eólicos, encontrou-se um solução para evitar que a electricidade seja dissipada na terra ou dada ao estrangeiro – porque a nós não a dão! Chama-se bombagem.

Para não maçar o leitor, vou trocar o rigor científico pela clareza para explicar o que é a bombagem hidráulica. Antes de mais, temos de saber que, cada vez que se dá uma transferência de energia, há perdas. Por isso é que os motores dos carros não podem transformar toda a energia da gasolina em tracção – só menos de 30% é aproveitada para mover o carro, o resto é transformado em barulho, calor, e outras formas de a energia se dissipar.

Para armazenar a energia que os geradores eólicos captaram do vento, a electricidade produzida é direccionada para um complexo de duas barragens. É claro que os custos destas duas barragens e o impacto ambiental que provocam não são incluídos na propaganda à energia “limpa” do vento – devo acrescentar que considero ambientalmente criminosas muitas das barragens deste país. E funciona desta forma: ambas as barragens, uma a montante e outra a jusante, têm turbinas que permitem produzir electricidade com a água que passa por elas. A barragem a montante, além das turbinas, tem bombas que permitem puxar a água da barragem seguinte de volta para ela. A energia em excesso das eólicas é utilizada para fazer funcionar essas bombas e guardar água na barragem a montante que, quando for precisa, há-de ser descarregada pelas turbinas para produzir electricidade. Em todo este processo, há energia a ser dissipada (ou seja, perdida) que, por lei, tem de ser paga aos produtores das eólicas – por nós, consumidores…

Tudo isto leva a que, além de não ser possível controlar a quantidade da energia eólica, esta também seja de má qualidade por não a termos disponível quando é precisa e, para a armazenar, muita ser perdida e os custos económicos e ambientais serem injustificáveis!

Para quem, como eu, frequenta regularmente barragens utilizadas para produção de electricidade – como pescador lúdico de achigã -, a devastação das margens devido à oscilação do nível da água é quase motivo para chorar. Como ambientalista e quase-arqueólogo, os crimes ambientais e contra o património cometidos para a construção de barragens são revoltantes! Para além do ruído, do perigo de danos materiais como incêndios, das mortes de aves e morcegos e da poluição visual causadas pelos parques eólicos…

Portanto, quem defende a energia eólica no actual estado da tecnologia, ou ignora as consequências, ou é hipócrita, ou tem dinheiro a ganhar com isso! Prefiro acreditar que a maior parte das pessoas não se opõe por desconhecimento.

Cumprimentos!

António Gaito

2 Respostas to “A falta de qualidade da energia eólica”

  1. FDC Says:

    Está muito mal informado sobre energia eólica em portugal….

  2. THen Says:

    Vê-se mesmo que não percebes pouco ou nada do assunto.

    Procura instruir te melhor. Se quiseres dou-te uma ajuda.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: