Archive for the ‘Música’ Category

«Bandeira Azul e Branca»

13/06/2011

«Pelos soldados que tombaram a lutar
Por uma terra que queriam unificada
Aos marinheiros que não temeram o mar
Levando mais além a Pátria amada (more…)

Anúncios

Pedro Barroso – «Balada do Desespero»

07/06/2011

Letra respeitosamente copiada de: http://arvoredeletras.blogs.sapo.pt/12393.html.

Porque nasceste, vives
Porque vivias cresceste
Porque cresceste tiveste
A sorte que não sabias (more…)

HINO DA RESTAURAÇÃO

07/06/2011

Nos liberi sumus, Rex noster liber est, manus nostrae nos liberverunt!

Nós somos livres, nosso Rei é livre, nossas mãos libertar-nos-ão!

 

Poema do lavrador de palavras aos políticos

30/05/2011

não me perguntem coisas daquelas que eu não creia
não me perguntem coisas daquelas que não sei
remeto para os senhores as decisões do mundo
tais como governar, fazer decretos lei
(more…)

Hino da Maria da Fonte

26/05/2011

Um hino de todos os portugueses, de direita ou de esquerda, republicanos ou monárquicos, com uma mensagem de esperança e um incentivo a erguer a cabeça, mais importante que as querelas políticas e que tanta falta faz nos dias que correm!

«Portugal foi-nos roubado»

22/05/2011

Nos liberi sumus, Rex noster liber est, manus nostrae nos liberverunt!

12/05/2011

Viva!

Em tempos de incerteza, recordemos o “grito de Almacave” que os nossos antepassados, confiantes no Portugal que construíam, pronunciavam com a certeza de um país melhor estar nas mãos de todos:

NÓS SOMOS LIVRES, O NOSSO REI É LIVRE, AS NOSSAS MÃOS LIBERTAM-NOS! (more…)

José Mário Branco canta F.M.I. (1982)

16/04/2011

Letra agradecidamente roubada daqui: http://vozdoseven2.weblog.com.pt/arquivo/2007/05/letra_fmi_jose.html. (more…)

A música da crise

14/04/2011

Viva!

Esta música de Carlos Paião faz tanto sentido hoje como quando foi escrita.

Cumprimentos!

António Gaito

É triste ,mas, tem de ser…

24/03/2011

Senhor “diz-que-é-uma-espécie-de-engenheiro“, esta é para si:

Eric Idle (dos Monty Pyton) sobre o Natal

14/03/2011

Date: Wed, 8 Dec 2010 23:37:13 +0000

Viva!
No seguimento do Manifesto Contra as Músicas de Natal, aqui vai: .
Cumprimentos!
António Gaito

O texto acima foi escrito com o maior desprezo pelo Acordo Ortográfico.

António Lopes Pereira Gaito

Manifesto contra as músicas de Natal

14/03/2011

Date: Tue, 7 Dec 2010 03:20:15 +0000

Viva!

Não pretendo ofender os fundamentalistas religiosos com este texto, por isso, se alguém o for, pode deixar de ler no final deste parágrafo…

O Natal é um tempo bonito em que nos devemos impregnar de sentimentos altruístas e oferecer coisas aos outros e fazer o bem e ser felizes e fazer os outros felizes e se o Saramago pode ignorar as vírgulas eu também posso e só nos lembramos destas tretas quando os centros comerciais nos apresentam as decorações de Natal e as músicas de Natal e as promoções de Natal e os descontos de Natal e o mais irritante!!! as músicas de Natal!

Pá! Faço já a declaração de princípios: sou um jacobino de primeira! Não gosto de religiões, superstições, crendices, esoterismos, nem afins que se assemelhem a banha da cobra… Mas, politicamente correcto, respeito todas as posições moderadamente crentes que não me tentem impor um modo de vida. E até evito discuti-las por ser tempo perdido!

Pois aqui chegamos ao embrião da questão: porque raios é que tenho de passar o mês de Dezembro inteiro a ouvir as mesmas seis ou sete músicas de Natal, nas cinquenta versões diferentes de cada uma, cada vez que entro num espaço público ou, até mesmo, quando vou a caminhar na rua?

Se vós, pais e mães de família, tivesseis uma filha de catorze anos que engravida sem saber quem é o pai da criança, julgo eu que tentaríeis abafar o assunto… Ninguém faria questão de armar uma algazarra capaz de lançar o mundo civilizado em mil anos de retrocesso civilizacional – a Idade Média -, ou mais se os criacionistas americanos e brasileiros tivessem poder para tal… E pior, nem na data de nascimento acertaram! O Papa Gregório, ao reformular o calendário juliano, não só fez do décimo mês o décimo segundo (DEZembro – politiquices como as de hoje) como, segundo as melhores estimativas, decretou o ano 1 (o zero na altura era coisa de árabes e hindus!) uns sete anos mais tarde e o Natal no Solstício de Inverno, por volta do dia 25, para cobrir as festividades dos nascimentos de Hórus e Mitra…

Mas eu não contesto as festividades nem o consumismo associado a esta época! Gastem o vosso dinheiro quando quiserem que eu também o faço ao longo do ano!

Nem entro em questões mais profundas sobre os praticantes de outras religiões poderem sentir-se discriminados pelas omnipresentes músicas de Natal… Afinal de contas, se eu for à Arábia Saudita ou ao Irão, depois das orações da tarde de Sexta-Feira, as mulheres adúlteras também são mortas por apedrejamento na praça pública, em frente à mesquita! É uma questão cultural, dirão os relativistas e pós-modernistas e outros caramelos responsáveis pela crise de valores da civilização ocidental.

Há uns poucos anitos, quando uma chusma de gauchistas quis impingir-nos uma Constituição Europeia e alguns reccionários defenderam que se fizesse referência ao legado judaico-cristão da civilização europeia, ai Jesus que os estados são laicos e a moda é o multi-culturalimo, que isto de ser secular tem que se lhe diga! A definição de secularismo e multi-culturalismo nesta Europa é entra cá tudo e nós é que temos de aceitar aquilo em que eles acreditam… E agora estamos numa situação em que nem na Idade Média houve tanta gente a defender o Califado desde o Al-Andaluz (isto inclui Portugal do Douro para baixo) até às ilhas do Mar Oriental. E, se alguém quiser fazer estimativas, talvez tenha havido na Europa mais excisões de clitóris a adolescentes nos últimos vinte anos que em toda a História de Civilização Europeia.

Ou seja, andamos onze meses por ano a defender o castramento das nossas raízes culturais e, quando chega o mês de Dezembro, somos turturados pelas estratégias de marketing modernas que nos impõem uma invasão de espírito natalício! E em tempo de crise, nada melhor que desperdiçar recursos em decoração de Natal e iluminação de Natal… Mas, música de Natal? Porquê?

Toda a gente as sabe. Toda a gente, mesmo que não queira, as trauteia. Até há uns matarruanos que as têm no telemóvel para azucrinar os ouvidos de inocentes que, por mero acaso, calham a estar por perto quando o aparelho dá sinal de vida… E que tal umas músicas novas, não? Uns jingles, mesmo comerciais, tipo a música da Leopoldina (porque está na Bíblia: o Natal é para gastar dinheiro em brinquedos!), com uma letra aberta a todas as confissões religiosas e passível de ser passada o ano todo. Ou, nas ruas, uma música alegre sobre as intenções do Presidente da Câmara para o ano seguinte (porque no ano findo, de certeza, não fez nada que se aproveitasse).

Mas não! Aquelas seis ou sete músicas, nas (7X50=350) trezentas e cinquenta e sete versões diferentes – porque há sempre um brincalhão a fazer uma versão porca – acompanham a nossa vida durante um mês inteiro, sempre que estamos debaixo de telha ou numa rua com comércio tradicional, tipo a Rua Augusta! Sim, porque Inditex e outras multinacionais, quando as portas dão para a rua, já se chamam comércio tradicional!

Para os senhores e senhoras que têm a autoria da ideia de, em qualquer sítio, passar músicas de Natal, aqui vai o meu conselho que, como todos sabemos, vale o que vale: se acham que as músicas natalícias fazem as pessoas felizes, também a masturbação as faz! E não é por isso que eu obrigo pessoas que não conheço a verem videos da minha excelentíssima e real pessoa a gemer de satisfação ao ver duas jovens filipinas (um país extremamente católico) a oferecerem felicidade uma à outra directamente e, a mim, indirectamente… E mais facilmente gastaria o meu dinheiro na Rua Augusta ou no Colombo se passassem imagens do António Costa ou do tio Belmiro a polir a cera ao marsapo enquanto assistem aos privados das moçoilas do MyCams!

Tenho dito!

Cumprimentos!
António Gaito

O texto acima foi escrito com o maior desprezo pelo Acordo Ortográfico.

António Lopes Pereira Gaito

Plágio?

14/03/2011

Date: Mon, 15 Nov 2010 00:11:47 +0000

Boas!
Após uns tempitos sem net por cortesia da ZON e de alguns senhores que, ao que parece, roubaram as cablagens cá do bairro, cá estou eu a chatear com picuinhices…
Alguém se lembra dos Zero? Início dos anos noventa. Se não, escutem esta música e digam lá se vos lembra alguma coisa: .
Cumprimentos!
António Gaito

O texto acima foi escrito com o maior desprezo pelo Acordo Ortográfico.

António Lopes Pereira Gaito

O derradeiro ensaio sobre a “tu mãe” …

14/03/2011

Date: Sun, 22 Aug 2010 22:45:17 +0100

Viva!
Do comediante Ray William Johnson, apresento-vos a música «Doin Your Mom»: .
A esta pérola sobre as origens maternas seguiu-se esta versão mais pesada por um tal de Wax, «Stalkin Ya Mom»:
Cumprimentos!
António Gaito

O texto acima foi escrito com o maior desprezo pelo Acordo Ortográfico.

António Lopes Pereira Gaito

Carlos Paião: Meia-Dúzia

14/03/2011

Date: Sun, 18 Jul 2010 23:45:27 +0100

Viva!
Passei a semana toda com esta música na cabeça e não resisto a partilhar convosco…
É uma genial brincadeira com a língua portuguesa!

Cumprimentos!
António Gaito

Tony Carreira – Plágio?

14/03/2011

Date: Tue, 13 Jul 2010 23:32:12 +0100

Viva!
Não tenho nada contra “covers” nem sei se os créditos foram atribuidos ou os direitos de autor respeitados, mas, veja-se a originalidade deste indivíduo:

Parte I

Parte II

Cumprimentos!
António Gaito

Ninfa Artémis, uma diva!

14/03/2011

Date: Sun, 20 Jun 2010 22:25:58 +0100

Viva!
Imcumbe-me divulgar uma moçoila que dá pelo nome de Ninfa Artémis. Não é que valha a pena divulgar, mas, talvez algum herói consiga ouvi-la até ao fim… Isto é uma espécie de “techno-pimba“, um movimento musical lançado pelo saudoso Luís Manuel com o seu «Chamo-me Lui Lui luis» (), um melhoramento de uma música dos Modern Talking. O que vale é que esta diva canta em português e em inglês – compare-se «Tecnotolices» (que já não consegui encontrar em linha) com «Technofoolishness» ().
Apresento-vos o grande “hit” «Aha Sim Gato» – .
Cuprimentos!
António Gaito

Perdidos e Achados: Um caso de sucesso…

14/03/2011

Date: Wed, 16 Jun 2010 22:52:20 +0100

Viva!

Apresento-vos um caso paradigmático de sucesso no meio artístico: Shawn Fernandes.
Este puto luso-canadense, em 1995, brindou-nos com com o fantástico “Tu és Minha“, lembram-se? Se não, podem recordar esta pérola aqui . Como, depois de uma coisa destas, era natural que tivesse vergonha, voltou para o Canadá e mudou de apelido. Agora é o Shawn Desman, estrela de renome que acaba de lançar um novo trabalho () depois de ter atingido a notoriedade ao lado de Jessica Alba neste “Sexy” ().

Moral da história: se alguma vez fizerem algo tão vergonhoso que vos possa perseguir o resto da vida – tipo ser apanhado num WC público com um prostituto, ter fotos íntimas no Arte Corporal ou participar no “Achas Que Sabes Dançar?” -, fujam do país, mudem de nome, adoptem um visual amaricado/fashion e façam o mesmo, mas, noutra língua.

Cumprimentos!
António Gaito

Uma da piores músicas “pimba” de sempre!

14/03/2011

Date: Tue, 15 Jun 2010 20:37:05 +0100

Viva!
Quando pensava que já não podia haver surpresas no universo “pimba”, tropeço neste diamante em bruto! Trata-se de uma música única em diversos aspectos – e nenhum deles é positivo. Apresento-vos Julio Miguel e Lêninha a interpretar «O Filho do Recluso»: .

Simplex

14/03/2011

Date: Mon, 23 Jun 2008 05:36:50 +0100


%d bloggers like this: